Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2016

QUE PERMANEÇA IMACULADA: A VIDA E A ARTE

QUE PERMANEÇA IMACULADA: A VIDA E A ARTE
A fronteira entre arte erótica e pornografia. A beleza resulta de colocar a vida humana, sexo incluído, a uma distância tal que se torne possível vê-la sem desgosto ou prurido.
Anne Hollander escreveu sobre a circunstância de o nu ser, na nossa tradição, mais despido do que desnudado: um corpo marcado pelas formas e materiais daquilo que habitualmente o cobre. Em Ticiano o corpo descansa, tal como faria se estivesse protegido do olhar por um véu. É um corpo vestido por roupas invisíveis. Assim como somos incapazes de separar o corpo de uma mulher completamente vestida do seu rosto e personalidade, também somos incapazes de fazê-lo no caso de um nu de Ticiano. Ao pintar o corpo do modo descrito, Ticiano supera a qualidade escondida do corpo, a sua natureza de fruto proibido. Este efeito desapareceria se o rosto fosse substituído por um esterótipo produzido em série, ao estilo de Boucher. Nele, o rosto é algo que aponta para o corpo, é a sua razão …

500 ANOS DEPOIS,SEGREDO DE MONALISA É REVELADO,E NÃO ESTÁ NO SORRISO

500 anos depois, segredo de Monalisa é revelado,e não está no sorriso 3 de julho de 2016
Yahoo Notícias
Um dos grandes mistérios da humanidade tem uma área de 77 x 53 centímetros. Esse é o espaço ocupado por Leonardo Da Vinci para, com tinta e óleo, criar a Monalisa. E, após anos de pesquisa, a tela que vive no Louvre, em Paris, teve um segredo desvendado. O que não é segredo são os mistérios do quadro de Da Vinci. Recentemente, a obra do gênio italiano foi temática central do romance Código Da Vinci, best seller mundial que não tardou para virar filme. E o enredo da ficção pode acabar ganhando nuances reais. Tudo começou com o pesquisador italiano Silvano Viceti. Ele dedicou toda sua vida ao estudo do quadro e, claro, descobriu detalhes nunca antes revelados. Um deles, desapercebido em pesquisas anteriores, revela que o sorriso não é o grande enigma da Gioconda. Seu segredo está em seus olhos. Pode soar bem clichê — e talvez até por isso ninguém tenha pensado —, mas os olhos da Monalisa qu…

VAN GOGH : A LOUCURA DE UM PINTOR

VAN GOGH : A LOUCURA DE UM PINTORO holandês Vincent van Gogh pintou mais de 800 quadros em dez anos de carreira “A pintura está na minha pele.” Era assim que Vincent William van Gogh, um dos maiores pintores do século 19, referia-se a sua paixão. Sua vida foi marcada por crises de loucura e seu trabalho, pelo amor aos pobres. Somente depois de sua morte é que o pintor foi reconhecido. Atualmente o mundo comemora os 150 anos de seu nascimento: vamos conhecer um pouquinho mais sobre ele? Neste Auto-retrato de 1887/8 pintado em Paris, nota-se a influência da técnica impressionista, com pinceladas curtas e irregulares Van Gogh nasceu em Groot-Zundert, na Holanda, a 30 de março de 1853, no dia em que seu irmão de mesmo nome havia falecido no ano anterior. Quando criança, teve uma educação rígida — seu pai era pastor — e dificuldade em fazer amigos. Aliás, seu único amigo foi o irmão mais novo, Theo, que o sustentou financeiramente nos últimos anos de vida. Aos onze anos, ele deu um desenho ao…

"A JANGADA DA MEDUSA" DE THÉODORE GÉRICAUT - A ARTE TRADUZINDO UMA TRAJÉDIA

"A Jangada da Medusa" de Théodore Géricault
A Jangada da Medusa (em francês: Le Radeau de la Méduse) é uma pintura a óleo de 1818–1819 da autoria de Théodore Géricault, encontra-se exposta no Museu do Louvre em Paris.
A fragata real "Medusa" deixou Rochefort na França, a 17 de Junho de 1816, em direcção a Saint-Louis, no Senegal. Apontada como uma das mais modernas embarcações da época, a sua missão era tomar posse da colónia do Senegal, que havia passado para a tutela francesa.  A bordo seguia o novo governador do Senegal, com a sua família, soldados e a equipa da marinha. Um total de 400 pessoas, seguramente mais do que as condições do barco permitiam. Ao comando da "Medusa" estava Hugues du Roy de Chaumareys, um capitão que durante 25 anos esteve longe das águas por imposição de Napoleão. Mas com o regresso ao trono dos Bourbons, foi compensado com este comando.  A arrogância deste capitão e as consequentes discussões com os oficiais motivaram a 2 de Julho…